terça-feira, 26 de janeiro de 2010

Saudades...


Ela gostava de correr, de latir na madrugada, de caçar os incautos, de deitar ao sol e de uivar para a lua. Adorava um pãozinho matinal, vespertino ou em qualquer horário. Tinha uma amor incondicional esperando em troca um pouco de comida e carinho. Cada reencontro era a felicidade de ver alguém que partiu há muito tempo. Gostava de água da chuva para beber mas odiava os caminhos molhados de grama depois da chuva.

Chegou em um janeiro distante para dizer que vale a pena viver, que apesar de uma grande perda vale a pena viver. Veio para ajudar a não se viver somente no passado. Sempre nos latia sorrindo chamando de amigo, para ter-se a consciência de que ainda se vive e que existia um longo caminho a se percorrer cheio de anseios, sonhos e de realidades.

Nesse final de semana ela concluiu que a sua missão havia terminado e, resolveu partir. Partiu assim como chegou, sem avisar, nos braços e em paz.

Sentirei falta da sua presença mas a terei sempre na lembrança os momentos de felicidade e companheirismo desprovidos de qualquer interesse.

Esteja onde estiver obrigado por ter nos permitido compartilhar esses anos todos com você.

7 comentários:

Xupacabr@ disse...

Boa noite Guto. Meus sentimentos pela perda. Sei exatamente o que sentes pois em uma desgraçada vacinação publica perdi 4 dalmatas adultos. Pai, mãe e dois filhos. A família desabou e me sobrou o destino de enterrar um a hum em uma bela área próxima do mar...

M. de Moura Filho disse...

Lamento pela perda, Guto

Anônimo disse...

Que pena, Guto.
Sei como está se sentindo pois também já perdi uma gatinha, minha paixão.
Estou solidária à sua dor...

Abraços,

Mari

Anônimo disse...

Esta eh uma das razoes porque nunca quiz animais de estimacao. Mas me rendi a minha filha e dei um hamster. Adoramos solta-la na grama p/ brincar. Agora ela esta velinha, e jah estamos tristes...

Tudo de bom Guto!

Alzira disse...

Prezado Guto Cassiano

Sei como é isso. Tive um poodle lindo, cor de chocolate, que fez a nossa felicidade durante 13 anos. Há alguns anos o perdemos mas ele nunca saiu de nossos corações. Até hoje sonho com ele. E, nos sonhos ele fala comigo. Sim, fala, palavras. No último sonho, estavamos num parque e havia um vendedor de balas. Meu cachorrinho me olhou e disse : "Eu quero bala" .. Portanto, meu amigo Guto, posso avaliar sua perda. Somente aqueles que amam seus eternos filhotes é que podem entender a amizade e o amor que recebemos deles, incodicionalmente. Abraços

Carlos Cassiano disse...

Não sabia que a bichinha se foi antes do combinado. Às vezes me pergunto o motivo de um cachorro viver tão pouco e um político viver tanto. Só pode ser erro de projeto.

Varlice disse...

Guto
Venho de vez em quando lhe visitar. Gosto muito deste seu blog.
Fazia tempo que não aparecia e acabei de ler sobre a sua cadelinha. Sinto muito, muito mesmo.
Você é o terceiro que conheço que perdeu um grande amigo neste mês. A cada notícia dessa olho pra minha beagle e penso: "Não me faça esta desfeita, Tarsila!".
Chorei ao ler as suas saudades. A falta será sentida sempre, mas também a lembrança de todas as graças que ela fez. Essa raça é maravilhosa.
Abraço sentido.
Varlice